(19) 3744-3646 / (19) 97170-8431


Fatores Masculinos

Em cerca de um terço dos casos de infertilidade conjugal achamos alterações do sêmen.

O exame de escolha para investigar a qualidade e quantidade de espermatozoides é o espermograma. Faz parte da investigação inicial da infertilidade. Deve ser colhido por masturbação com 2 a 5 dias de abstinência sexual.

A qualidade do sistema reprodutivo masculino depende do funcionamento adequado do endócrino (controlado pelo Sistema Nervoso Centra)l, testículos e ductos transportadores dos espermatozoides.

As alterações da regulação endócrina, que envolvem 2 glândulas chamadas hipotálamo e Hipófise podem ser ocasionadas por:

  • Uso de anbolizantes
  • Uso de medicações como corticoides e opioides e análogos do GnRH (usado no câncer de próstata)
  • Obesidade
  • Hiperprolactinemia
  • Tumores de hipotálamo e hipófise
  • Síndrome de Kallmann e outras mutações genéticas raras

As alterações testiculares podem ser secundárias a:

  • Varicocele: dilatação das veias testiculares, afeta cerca de 30% dos homens inférteis. É 10 vezes mais frequente do lado esquerdo. Altera o sêmen devido ao aumento da temperatura local e à lentidão da reabsorção de substâncias tóxicas locais.
  • Infecções testiculares (orquite): clamídia, gonorreia e caxumba pode causar inflamação nos testículos e danos importantes.
  • Síndrome de Klinefelter: distúrbio genético caracterizado por, com um aumento de um cromossomo X, 47,XXY, resultando em testículos pequenos devido ao dano nos túbulos seminíferos e células de Leydig. Está associado a criptorquidia.
  • Microdeleção do cromossomo Y: o braço longo do cromossomo Y tem 3 regiões chamadas AZFa, AZFb e AZFc que contem informações genéticas responsáveis pela produção e maturação espermáticas. Deleções nessas regiões podem causar alterações graves do sêmen, como azoospermia (principalmente AZFa e AZFb). Essa alteração pode ser transmitida aos filhos do sexo masculino, podendo causar a mesma alteração na prole.
  • Criptorquidia: é a não descida dos situação em que os testículos não descem para a bolsa testicular durante o desenvolvimento fetal. A temperatura intra-abdominal elevada danifica os testículos e quanto maior o tempo fora da bolsa, as consequências podem ser mais graves.
  • Drogas ilícitas: substâncias tóxicas como solventes e pesticidas e tabagismo e etilismo reduzem a quantidade e qualidade dos espermatozoides.

Problemas no transporte do sêmen: 10-20%

A produção de espermatozoides está normal, mas a via de saída pode estar obstruída ou não funcionante:

  • Ausência congênita bilateral dos ductos deferentes: os ductos deferente transporta os espermatozoides dos testículos para a via de saída, passando pelas vesículas seminais e próstata. Cerca de 2% dos homens inférteis nascem sem esses ductos, causando azoospermia. Grande parte desses homens são portadores de mutação no gene da fibrose cística (CFTR), apesar de não apresentarem sintomas da doença, como as alterações pulmonares e pancreáticas. O diagnóstico é clínico e a investigação da mutação do CFTR deve ser feita na parceira, para evitar o risco de transmissão da fibrose cística para os filhos.
  • Disfunção ejaculatória: principalmente quando decorrente de lesão de medula espinhal por traumas ou doenças como diabetes descompensada.
  • Vasectomia, traumas ou cirurgias testiculares: causa frequente de azoospermia.
  • Infecções: clamídia, gonorreia e outras bactérias podem causar inflamações e obstruções no trajeto do sêmen.

Idiopática (sem causa identificada): 40-50%

Mesmo após os diversos exames para investigação, a causa da infertilidade masculina não é identificada em cerca de 40-50% dos casos.