(19) 3744-3646 / (19) 97170-8431


Fatores Femininos

Ovulação

A afecção que mais comumente causa anovulação (falta de ovulação) é a Síndrome dos Ovários Policísticos (SOP). É uma alteração endocrinológica que não deixa acontecer o amadurecimento do óvulo que consequentemente não é liberado para ser fertilizado pelo espermatozoide. Habitualmente são pacientes com ciclos longos, ovários multifolículares ao US, acne e aumento dos pelos em lugares incomuns.

A hiperprolactinemia também é uma alteração endocrinológica que pode se apresentar com irregularidade menstrual, galactorréia (saída de leite dos mamilos) e consequente infertilidade pela falta de ovulação que causa.

O Hiper ou hipotireoidismo também podem ser a causa de infertilidade devendo ser investigados.

Alteração das tubas uterinas

É o órgão responsável pelo encontro dos gametas (óvulo e espermatozoide). Algumas doenças infecciosas como Clamídia e Gonococo, apendicite supurada, cirurgias abdominais infectadas ou complicadas e a própria endometriose podem danificar sua estrutura e sua motilidade. A tuba doente pode ficar obstruída ou se dilatar, acumulando líquido em seu interior e assim ser vista pelo ultrassom. É a hidrossalpinge. A trompa doente que chegar nesse estágio deve ser retirada por cirurgia minimamente invasiva pois atrapalha a implantação do embrião.

Baixa reserva ovariana

A menina, quando nasce, tem nos seus ovários um número pré-determinado de óvulos. Quando chega à idade fértil possui apenas 300 mil óvulos capazes de ser fecundados. A cada ciclo menstrual, para um óvulo que atinge a maturidade, centenas são perdidos. Por esse processo natural e fisiológico, a quantidade disponível nos ovários (reserva ovariana) diminui a partir de 35 anos e diminui mais pronunciadamente a partir de 40 anos. Como atualmente postergamos a gestação por questões profissionais, essa causa de infertilidade vem crescendo bastante. Com a preservação da fertilidade e congelamento de óvulos temos como postergar a maternidade com segurança.

Endometriose

O endométrio é o tecido que reveste o útero, onde o embrião se implanta, tecido que descama causando a menstruação. Quando ele se desenvolve em outros lugares como ovários, tubas uterinas, peritônio, etc, causa a doença chamada endometriose. Aproximadamente 10% das mulheres em idade fértil são acometidas e isso aumenta em até 5 vezes nas mulheres inférteis.

A endometriose causa lesões nas trompas, cistos nos ovários, diminui a reserva ovariana e a qualidade dos óvulos, deixa a pelve inflamada, “tóxica” a implantação.

A adenomiose ocorre quando o endométrio se infiltra na parede uterina, ou seja, no miométrio causando cólicas e sangramentos uterinos anormais.

Causas uterinas

São representadas pelos pólipos e miomas, que são lesões benignas na grande maioria das vezes, mas atrapalham na implantação do embrião por distorcerem a cavidade uterina ou por alterarem a receptividade do endométrio.

Trombofilias

São doenças da coagulação congênitas ou adquiridas que aumentam o risco de trombose dos vasos da placenta levando a perdas estacionais de repetição e até falha de implantação do embrião.

ESCA

Esterilidade sem causa aparente (ESCA) ou infertilidade inexplicável é quando após todas as investigações não se acha a causa. Sem dúvida que esse diagnóstico causa grande desconforto no médico e enorme frustração no casal.